Category Archives: Sem categoria


Tese ao 6º Congresso do PSOL

O Coletivo Primeiro de Maio apresenta sua tese ao 6o Congresso Nacional do PSOL, que vai acontecer em dezembro de 2017. Para ser apresentada ao Congresso, a tese precisa contar com a adesão de pelo menos 400 militantes filiados ao PSOL, até 23 de julho. Assim que for concluída essa etapa, divulgaremos aqui. Tese em [...]


Tese para o 5° Congresso do PSOL 3

O Coletivo Primeiro de Maio apresenta sua tese ao 5o Congresso Nacional do PSOL, que vai acontecer no Distrito Federal nos dias 04 a 06/dezembro/2015. Para ser apresentada ao Congresso, a tese precisa contar com a adesão de pelo menos 400 militantes filiados ao PSOL, até 31/julho. Assim que for concluida essa etapa, divulgaremos aqui [...]


Tese das Mulheres do Coletivo 1º de Maio ao III Encontro Nacional de Mulheres do PSOL

O grito das ruas também vem das mulheres! Milhões de mulheres e homens vêm participando de mobilizações populares por todo o Brasil. Desde Junho de 2013, a insatisfação tem voz presente nas ruas de nosso país e, apesar de toda a repressão por parte dos governos e tentativa de desmobilização, as manifestações persistem e inúmeras [...]

tese mulheres

50 anos do golpe civil militar no Brasil.

Há 50 anos acontecia o golpe civil militar de 1964.

Por conta desse regime nefasto, milhares de pessoas foram presas, torturadas e estupradas porque ousaram levantar sua voz. Centenas foram brutalmente assassinadas pelo governo e outra centena está “desaparecida” até hoje. Em 21 anos o Brasil ficou mais desigual, a concentração de renda aumentou e os apoiadores enriqueceram as custas de roubos das riquezas do povo brasileiro.

Ainda hoje muitos dos que participaram e apoiaram o golpe estão no poder. São políticos, empresários, latifundiários. A extrema violência que marcou o golpe ainda é vista nas ações da polícia militar e não são raros os casos de abusos de poder.

A presença de apoiadores do regime em todos os governos após 1985 não efetivam uma verdadeira democracia. A repressão aos movimentos sociais e ao povo trabalhador instaladas em 1964 ainda existe, prisões arbitrárias, torturas, desaparecimentos assassinatos parte de agentes do Estado contra trabalhadores pobres, negros, mulheres, indígenas e militantes que ousam levantar a voz por seus direitos.

Hoje lembramos todos os que lutaram e os que continuam lutando por uma sociedade mais justa e igualitária!



choque linson

Sobre as manifestações contra a copa e a reação governista

por Felipe Corneau Onde realmente mora o risco de “golpe da direita”, nas ruas ou nos palácios? A burguesia conservava a França resfolegando de pavor ante os futuros terrores da anarquia vermelha; (…) A burguesia fez a apoteose da espada; a espada a domina. Destruiu a imprensa revolucionária; sua própria imprensa foi destruída. Colocou as [...]


As armas do Manifesto – breves considerações sobre práxis e revolução

Denise Vazquez Manfio João Paulo de Toledo Camargo Hadler Na conjuntura atual, nós, socialistas, militamos em diversos movimentos sociais, cujas realidades tão diferentes parecem, por vezes, distanciar-se umas das outras, tanto na prática quanto no referencial teórico político. É certo que nossa referência teórica se encontra principalmente em Marx, mas não raro temos dificuldades em [...]

logo site 1maio3


Sem violência?

Contribuição do militante João Paulo de Toledo Camargo Hadler Para quem está acompanhando o noticiário sobre os protestos no Brasil, fica claro que os atos de vandalismo voltaram a ganhar destaque. Ao contrário do que julgam alguns, o problema não está no sensacionalismo que realça as cenas de depredação, mas na insistência da mídia em diferenciar [...]

semviolencia

bandeira psol

PSOL: Um partido para a Revolução Brasileira 22

Tese do Coletivo Primeiro de Maio para o 4º Congresso Nacional do Partido Socialismo e Liberdade   Internacional   Vivenciamos há anos os desdobramentos da crise do capital. Os trilhões de dólares injetados para salvamento das grandes instituições financeiras desde 2008 comprometeram os orçamentos públicos com a socialização dos prejuízos da banca. Os efeitos recessivos [...]